COMPARTILHE:

[print-button target='#areaImpressao']

Ciência Hoje das Crianças


Conteúdo do Link: http://chc.cienciahoje.uol.com.br/uma-mistura-de-religioes/

Uma mistura de religiões

Reunião de cultos católicos e de origem africana faz parte da cultura brasileira

Notícias - 06-11-2000 História Imprimir Pdf

Em A serpente do além, Mestre Didi usa símbolos do candomblé, como as cores dos orixás e materiais utilizados em cultos nos terreiros.

Iansã, Oxum e Obá eram casadas com Xangô. Por ter um jeito mais masculino e guerreiro, Obá queria saber como Oxum conseguia ser tão feminina, encantando Xangô. Oxum contou-lhe um segredo: toda vez que preparava a comida do marido, ela cortava um pedaço da sua orelha (que crescia novamente) e colocava na panela. Um dia, Obá preparou a comida de Xangô e resolveu seguir a receita da amiga. Só que ela não cortou um pedaço, mas toda a orelha. Ao descobrir o que Obá fizera, Xangô brigou muito com ela. Para piorar, sua orelha não cresceu como Oxum havia dito. Obá nunca mais a perdoou por tê-la enganado; até hoje, elas raramente se encontram nos terreiros de candomblé.

Essa é apenas uma das várias histórias contadas na parte da exposição que mostra as manifestações religiosas dos negros no Brasil. De diferentes origens, os cultos existiram em quase toda a história do Brasil. Durante o período da escravidão, os donos das fazendas proibiam a realização de cultos africanos e só permitiam práticas católicas. O resultado foi uma mistura de religiões chamada sincretismo: para disfarçar, os escravos relacionavam seus orixás aos santos da Igreja Católica. Para eles, Ogum era São Jorge, Iemanjá era Nossa Senhora da Conceição, Iansã era Santa Bárbara e Oxóssi era São Sebastião.

Muitos nomes são usados para identificar o culto afro-brasileiro: umbanda, candomblé, babaçuê, tambor-de-mina, pajelança… Cada um guarda características próprias; os mais conhecidos são o candomblé, religião que conseguiu manter mais fielmente as tradições dos antepassados, e a umbanda, que sofreu forte influência da religião católica e do espiritismo.

Hoje, cultos afro-brasileiros são praticados não só por negros, mas por brancos também. Eles começaram a freqüentar os terreiros quando essas manifestações chegaram aos grandes centros urbanos. O sincretismo permanece em nossa cultura: um exemplo é a dupla comemoração, pela Igreja Católica e pelos cultos afro-brasileiros, do dia de Nossa Senhora da Conceição ou Iemanjá, na Bahia. Além disso, no último dia ano, as pessoas – nem sempre praticantes dessas religiões – levam flores para Iemanjá, a Rainha do Mar, e fazem seus pedidos para o ano novo.

A contribuição dos negros na nossa cultura não foi apenas na religião. A quituteira bahiana que vende acarajés nas ruas de Salvador mostra como a culinária do Nordeste (principalmente na Bahia) sofreu forte influência africana. O carnaval, festa popular que apresenta expressões corporais e batucadas dos negros, é um dos fenômenos mais ricos de africanização da nossa cultura. Como a capoeira: intensamente perseguido no período da escravidão, esse jogo é hoje bastante praticado pelo povo brasileiro.

Cristina Souto,

Comentários

Observação: Os comentários publicados abaixo foram enviados por nossos leitores e não necessariamente representam a opinião da Ciência Hoje das Crianças.


Deixe o seu comentário!









Conteúdo Relacionado

  • Chegou o Natal!

    É hora de conhecer a origem de alguns símbolos dessa festa

    natal
  • História eletrizante do Brasil

    Livro conta a história do nosso país a partir de episódios que envolvem raios e tempestades

    De 2000 a 2014, em média, o Brasil registrou 111 mortes por ano por causa de acidentes com raios. Mas uma boa parte delas poderia ser evitada se as pessoas tivessem mais informações sobre como se proteger durante as tempestades. (foto: ELAT / INPE / Fedrizzi Junior)
  • Quintal de índio

    Bióloga investiga quintais amazônicos com vestígios de indígenas do passado para entender as plantas do presente

    Casa e quintal na beira do rio Urubu. A região possui diversas áreas com terras pretas de índio. (foto: Katja Schulz / Flickr / (a href=https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0)CC BY-NC 2.0(/a))
string(19) "lightboxIframe link"

Novidades

Cadastre-se para receber nossas novidades por e-mail.

Seu e-mail