COMPARTILHE:

[print-button target='#areaImpressao']

Ciência Hoje das Crianças


Conteúdo do Link: http://chc.cienciahoje.uol.com.br/presenca-dos-negros-no-brasil/

Presença dos negros no Brasil

Povos vindos da África foram muito importantes na formação da cultura nacional

Notícias - 06-11-2000 História Imprimir Pdf

Alegoria dos quatro continentes. África, século XIX

O povo negro sofreu grande rejeição na história das civilizações. No Brasil, a situação não foi diferente: ao visitar a exposição Negro de Corpo e Alma, que faz parte da Mostra do Redescobrimento, percebe-se como os negros, que chegaram ao país como escravos, eram vistos como uma raça inferior. Mas eles foram muito importantes na formação do povo brasileiro. A exposição mostra isso e tenta explicar como foi e como é ser negro no Brasil, por meio das manifestações artísticas e religiosas desse povo que tanto influenciou a cultura brasileira.

Os primeiros negros chegaram ao Brasil em 1580. Vieram para servir os donos das grandes fazendas, que precisavam de muitos trabalhadores nas lavouras de cana-de-açúcar e não conseguiam escravizar os índios. Para favorecer os fazendeiros, o governo brasileiro permitiu o comércio de negros, que eram capturados na África, trazidos em grandes embarcações (os navios negreiros) e vendidos no Brasil. As viagens duravam entre três e quatro meses. Eles vinham nus e deitados nos porões do navios sobre urinas e fezes, e nem sempre havia água e comida para todos. Muitos negros não sobreviviam a essas péssimas condições de viagem.

Quando chegavam ao Brasil, os escravos eram acomodados em senzalas, trabalhavam cerca de quatorze horas por dia e, muitas vezes, tinham direito a apenas uma refeição diária composta de feijão, milho, farinha de mandioca. Por resistir à dominação dos brancos, os negros eram ainda mais maltratados – apanhavam de chicotes e amarrados a troncos. Sem esperanças de ganhar uma carta de alforria, que lhes daria a liberdade, muitos se suicidavam ou fugiam, indo para o sertão, onde se organizavam em quilombos. Os instrumentos de castigos e o dia-a-dia dos escravos nas fazendas podem ser vistos na exposição.

Quilombos: o sonho da liberdade
Ao contrário do que contam muitos livros de história, os negros não aceitaram tão facilmente a escravidão. Pelo contrário, muitos deles se rebelaram: alguns tentaram suicídio, outros assassinaram os seus senhores. No entanto, a maioria optou pela fuga das fazendas. Os escravos fugidos reuniam-se em pequenos povoados no sertão, em locais de difícil acesso, dando origem aos quilombos. Ao lado, você vê a planta de um deles: o Buraco do Tatu, na Bahia.

Cada quilombo tinha seu chefe, que era subordinado ao chefe geral: Zumbi dos Palmares, que comandava o maior povoado do país. Localizado no estado de Alagoas, o quilombo dos Palmares funcionava como um pedaço da África no Brasil, e chegou a abrigar cerca de 20 mil escravos fugidos em 1670.
Com a diminuição do número de escravos nas fazendas, a Coroa Portuguesa começou a atacar os quilombos, principalmente o de Palmares, sem sucesso, até que os portugueses resolveram usar outros métodos. Por meio de roupas pertencentes a doentes, eles espalharam no quilombo doenças contagiosas. Sem reforços, armas e alimentos, o quilombo dos Palmares foi completamente destruído. Zumbi conseguiu fugir, mas foi capturado e morto. Sua cabeça foi exposta em praça pública em 1695.

Dois séculos depois, surgiu o movimento abolicionista no Brasil, liderado por José do Patrocínio, que defendia o fim do trabalho escravo. A partir de 1850, a idéia de libertação dos escravos ganhou força, mas a escravidão só acabou no país em 1888, quando a princesa Isabel assinou a Lei Áurea. A população negra deixou de ser dominada, mas nem por isso foi integrada e aceita pela sociedade da época. Ainda hoje, apesar de os negros terem conquistado seus direitos de cidadãos, eles continuam a ter condições de vida inferior às dos brancos. Uma prova disso é o fato de boa parte da população das favelas e dos presídios brasileiros ser composta por negros.

Cristina Souto,

Comentários

Observação: Os comentários publicados abaixo foram enviados por nossos leitores e não necessariamente representam a opinião da Ciência Hoje das Crianças.

  1. gabriel andrey monteiro barbosa disse:

    vai me ajudar para o trabalho de escola

  2. gabriel andrey monteiro barbosa disse:

    isso vai me ajudar para o trabalho de escola

  3. Francisco disse:

    Isso vai me ajudar muito!

  4. Rudnei disse:

    Sempre quando eu vejo a história do Brasil eu me envergonho, pois assim como antigamente os negros são classificados como “minoria”, e como Einstein fala é mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito principalmente o preconceito racial !!

  5. Késia disse:

    Gostei muito me ajudou a fazer meu trabalho!! <3 AMEI!!

  6. Arthur disse:

    chc esse texto é sobre história e não sobre ciência, mas gostei muito super caprichado e me ajudou a fazer meu para casa que estou fazendo a 3 horas !!!

  7. sabrina disse:

    EU AMEI ESSE TEXTO ELE FALA MUITO SOBRE A VIDAS DOS NEGROS E DE MUITAS COISAS…

  8. maria rita fernandes disse:

    otimo para fazer meu trabalho da escola

  9. STHEFANY ANJOS DOS SANTOS disse:

    OI PESSOAL DA CHC QUERIA MUITO QUE VCS FIZESSEM UMA MATERIA SOBRE A FORMAÇAO DA SOCIEDADE BRASILEIRA ESPERO POR ISSO BJS

  10. manuela disse:

    essa pesquisa me ajudou muito , eu sou apaixonada pela historia do brasil principalmente a parte da escravidao , gosto muito das revistas ciencia hoje

  11. manuela disse:

    eu gostei muito da pesquisa me ajudou bastante .#adorohistoria , principalmente a do brasil. Adoro a revista ciencia hoje

  12. hunter disse:

    adorei essa é minha primeira vez nessa página mas achei muito boa e interessante e mensagem para mau educados :se não tem nada de bom para comentar (não comente)até mais e beijo

  13. julia disse:

    muito legal ! Me ajudou bastante nos estudos.

  14. vida loka disse:

    meio bosta

  15. gabriela disse:

    gostei, estou no 5 ano e minha professora pediu para lermos relembrei como foi o inicio da escravidao

  16. thiago disse:

    gostei e ainda aprendi mais sobre como os escravos vieram para o brasil e so negro tambem na vida real e meu pai foi um escravo da quela epoca

  17. evellen disse:

    eu amei isso e muito bom nao e otimooooooo

  18. PATRICIA MENDES DOS SANTOS disse:

    gente eu prendi que os negros eram muito mau tratados

  19. renata da silva disse:

    gostei muito legal espero ter outras coisas como essa que deus abençoa tds :)

  20. Isabel cristina disse:

    Me ajudol ! Muito :-) só que Isabel e meu nome :'(

  21. Lucas disse:

    Muito legal :)

  22. Leticia Mazuim disse:

    Ameii muito bom,eu prescisava estudar para uma prova de história e ta ai,também tenho um trabalho que a maioria das esplicações estão ai!muito legal esta pág,um pequeno texto e total explicação!!!
    me acompanhem no face:(minha pág é monster high) -> Amooo MH
    tchauzinho

  23. aaron disse:

    eu adorei o testo pq eu vou copiar ele todo ate que e pequeno

  24. natan disse:

    o texto foi muito legal.

  25. jose disse:

    muito boa essa pagina gente entrem nesta pagina

  26. roberta disse:

    kkkkkkkk

  27. hierro silva disse:

    muito bom excelente explicação

  28. Jennifer Cristine Xavier Serafini disse:

    adorei essa pagina ela e muito boa,principalmente para fazer trabalhos escolares!


Deixe o seu comentário!









Conteúdo Relacionado

  • Um museu em suas mãos

    Novo aplicativo permite reconstruir, no mundo digital, locais históricos que já não existem mais

    Pela câmera do celular ou (i)tablete(/i), o aplicativo Museu Sem Paredes reconhece o local que está sendo mostrado na tela e vai adicionando informações sobre as construções que já estiveram ali. (foto: Karolina Ziulkoski)
  • Clique histórico

    Conheça a Brasiliana Fotográfica, uma coleção virtual e colaborativa de imagens que retratam o passado do Brasil

    Missa campal celebrada em ação de graças pela abolição da escravatura no Brasil em 1888. (foto: Antônio Luiz Ferreira)
  • Língua paulista

    Você sabia que, há poucos séculos, o interior de São Paulo tinha um idioma próprio?

    Este foi o rico documento encontrado pela pesquisadora, com muitas expressões da Língua Geral Paulista. (imagem: Revista do Arquivo Municipal)

Novidades

Cadastre-se para receber nossas novidades por e-mail.

Seu e-mail