COMPARTILHE:

[print-button target='#areaImpressao']

Ciência Hoje das Crianças


Conteúdo do Link: http://chc.org.br/os-egipcios-e-o-atrito/

Os egípcios e o atrito

Vamos desvendar os mistérios da construção das pirâmides!

A aventura da física - 16-05-2014 Física Imprimir Pdf

Você certamente já ouviu falar das pirâmides do Egito, e talvez saiba que, além das pirâmides, os antigos egípcios também construíram muitos templos grandiosos, repletos de estátuas gigantescas de seus deuses e governantes.  O que nem todo mundo se dá conta é que eles tinham que mover essas pedras e estátuas de onde elas eram feitas até o local onde elas seriam colocadas. Isso não era um trabalho fácil: as estátuas e pedras pesavam toneladas!

As famosas pirâmides egípcias foram construídas com enormes blocos de pedra. Como será que os egípcios faziam para movê-las sobre a areia? (foto: Ricardo Liberato / Wikimedia Commons / (a href=http://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)CC BY-SA 2.0(/a))

As famosas pirâmides egípcias foram construídas com enormes blocos de pedra. Como será que os egípcios faziam para movê-las sobre a areia? (foto: Ricardo Liberato / Wikimedia Commons / (a href=http://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)CC BY-SA 2.0(/a))

De uma maneira geral, quanto maior o peso de um objeto, maior é o atrito que ele vai fazer com o chão, dificultando seu movimento – já reparou que é mais difícil arrastar um armário cheio de roupas do que o mesmo armário vazio?

A força de atrito é uma força que surge no contato entre duas superfícies, reagindo à tentativa de se deslocar uma das superfícies em relação à outra. Ela tem origem na repulsão que os elétrons das camadas mais externas dos átomos de cada superfície fazem uns nos outros.

Quando você puxa um trenó (pode ser qualquer coisa pesada, até uma criança!, sobre uma prancha) para a direita, a força de atrito que você tem que vencer para conseguir puxá-lo é a força extra com que agora os átomos do chão estão repelindo (para a esquerda) os átomos da superfície do trenó, que você aproximou deles fazendo força. (foto: Kevin Krejci / Flickr / (a href=https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.pt)CC BY 2.0(/a))

Quando você puxa um trenó (pode ser qualquer coisa pesada, até uma criança!, sobre uma prancha) para a direita, a força de atrito que você tem que vencer para conseguir puxá-lo é a força extra com que agora os átomos do chão estão repelindo (para a esquerda) os átomos da superfície do trenó, que você aproximou deles fazendo força. (foto: Kevin Krejci / Flickr / (a href=https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.pt)CC BY 2.0(/a))

Até bem pouco tempo atrás, ninguém sabia muito bem como os antigos egípcios tinham conseguido vencer o atrito para deslocar o peso das pedras e das estátuas. E olha que a solução estava na nossa cara o tempo todo!

Em 2014, uma equipe de físicos da Universidade de Amsterdã, nos Países Baixos, propôs uma solução bem convincente, inspirada numa antiga imagem presente no túmulo de Djehutihotep. A ilustração sugeria que os egípcios colocavam uma enorme estátua sobre uma prancha, formando um trenó, e derramavam líquido à frente dele enquanto o puxavam.

Inspirados pelo desenho, os cientistas construíram um modelo em que uma prancha de metal com um peso em cima era puxada sobre areia. O fio que puxava a prancha estava preso em um aparelho que conseguia medir a força necessária para mover a prancha. Assim, eles puderam perceber que, quando a areia era molhada com água, a força necessária era reduzida quase pela metade!

Os cientistas perceberam que, em uma imagem antiga encontrada no túmulo de Djehutihotep há mais de cem anos, há uma estátua sendo transportada sobre um trenó puxado por muitas pessoas, provavelmente escravos. Ao pé da estátua, sobre a prancha, uma pessoa derrama um líquido bem à frente do trenó enquanto este é puxado. (foto: Wikimedia Commons)

Os cientistas perceberam que, em uma imagem antiga encontrada no túmulo de Djehutihotep há mais de cem anos, há uma estátua sendo transportada sobre um trenó puxado por muitas pessoas, provavelmente escravos. Ao pé da estátua, sobre a prancha, uma pessoa derrama um líquido bem à frente do trenó enquanto este é puxado. (foto: Wikimedia Commons)

Isso parece solucionar o mistério de como pedras e estátuas de várias toneladas eram movidas de um lugar para o outro. No entanto, outro mistério permanece: como as pedras e estátuas eram erguidas até o topo das construções?

Não há nada que mostre que os antigos egípcios conheciam o mecanismo do guindaste ou que tivessem roldanas, por exemplo. Talvez eles tenham se virado com rampas, areia e água, ou talvez tenham usado rampas provisórias de areia molhada. Pode ser que eles tenham usado algum mecanismo hidráulico, aproveitando a força da água.

Não sei. E – até onde eu sei – ninguém sabe. Engenharia do Egito antigo: eis um bom mistério para você pensar em resolver!

Beto Pimentel, Colégio de Aplicação, UFRJ
O autor da coluna A aventura da física é apaixonado por essa ciência desde garoto. Hoje, curte também dar aulas e fazer atividades criativas em contato com a natureza e com as outras pessoas.

Comentários

Observação: Os comentários publicados abaixo foram enviados por nossos leitores e não necessariamente representam a opinião da Ciência Hoje das Crianças.

  1. Gabriela Alves disse:

    Adorei !!!!! tinha esquecido quanta coisa se pode aprender aqui

  2. lyryelrocha disse:

    amei esse texto me ajudou muito e muito bom pode crer

  3. Fernando Henrique R Lima disse:

    Gostei do texto e o utilizarei em sala de aula.

  4. luiz henrique disse:

    ai,pra que tanto gipsito

  5. jamile disse:

    legal

  6. jamile disse:

    muito legal aprender aqui

  7. Ryan disse:

    muito9 legal ^^

  8. karolina disse:

    eu anda etou peisando

  9. MARIA DE LOURDES BORNEO disse:

    tenho pirâmides coloridas de iniciação aos mistérios. estou pesquisando para auto conhecimento.. vou ler outro dia.


Deixe o seu comentário!









Conteúdo Relacionado

  • Diálogo nebuloso

    Uma conversa de pai e filho sobre a cor e a formação das nuvens

    E você, já parou para pensar por que as nuvens são brancas? (foto: Pattys-photos / Flickr / (a href=https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)CC BY 2.0(/a))
  • Um minutinho!

    Pare para ler sobre a escala de períodos de tempo maiores que um segundo

    Tempo para estudar, tempo para brincar, tempo para dormir... A unidade escolhida para medir esses e outros intervalos de tempo é o segundo. (foto: Ferran Cerdans Serra / Flickr / (a href=https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)CC BY-SA 2.0(/a))
  • Um parafuso a mais

    Na coluna A aventura da física, descubra o que é e para que serve o parafuso de Arquimedes

    Arquimedes thumb
string(31) "lightboxIframe link infografico"

Novidades

Cadastre-se para receber nossas novidades por e-mail.

Seu e-mail